Receita Federal Pode Fazer Compensação Automática de Créditos

3 Dicas Para Usar Bem o Dinheiro da Restituição do IR.
12 de agosto de 2016
Empregada Doméstica tem Direito ao Seguro Desemprego?
21 de novembro de 2016
Exibir tudo

Receita Federal Pode Fazer Compensação Automática de Créditos

A 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que é a Receita Federal quem deve definir o critério para compensar débitos quando o contribuinte tem créditos tributários. Assim, confirmou o direito do Fisco fazer a compensação automática (de ofício).

No caso, a Cooperativa Arrozeira Extremo Sul possuía créditos de R$ 2,82 milhões. Alguns dos seus débitos estão parcelados. Em relação aos demais, alegou que pretendia manter a discussão no âmbito administrativo e judicial.

A cooperativa argumentou com base nos princípios da razoabilidade, da proporcionalidade e da menor onerosidade. Defendeu seu direito de usar os créditos reconhecidos para extinguir débitos conforme sua própria vontade.

O ministro relator Herman Benjamin ressaltou que, em situações como essa, a lei prevê ser “impositiva” a compensação de ofício. Baseou¬se no artigo 7º do Decreto-Lei nº 2.287, de 1986, com a redação da Lei nº 11.196, de 2005. Citou ainda o Decreto nº 2.138, de 1997, que ao regulamentar a lei determina que a compensação de ofício seja precedida de notificação do contribuinte.

“O encontro de contas será realizado quando houver a sua anuência expressa ou tácita, e, em caso de discordância, o crédito do sujeito passivo [contribuinte] ficará retido em poder do Fisco até que o débito deste seja liquidado”, afirmou o ministro, que foi seguido pela maioria dos colegas.

A Instrução Normativa da Receita nº 1.300, de 2012, estabelece os critérios e define a ordem dos débitos pendentes para a compensação. “Como se sabe, não é dado ao contribuinte eleger unilateralmente os critérios que lhe parecem mais convenientes, sobrepondo¬se ao interesse público, resguardado pelo Fisco”, disse Benjamin.

Contexto A possibilidade de compensação de ofício pela Receita será discutida no Supremo Tribunal Federal (STF), que declarou o tema como de repercussão geral , em dezembro do ano passado.

Há liminares da Justiça federal vedando a Receita de aplicar o procedimento. Segundo essas decisões, o Fisco deveria respeitar as exceções previstas no artigo 151 do Código Tributário Nacional (CTN). O dispositivo diz que suspendem a exigibilidade do crédito tributário: a moratória; o depósito do seu montante integral; as reclamações e os recursos, nos termos das leis reguladoras do processo tributário administrativo; a concessão de medida liminar em mandado de segurança; a concessão de medida liminar ou de tutela antecipada, em outras espécies de ação judicial e o parcelamento.

Para mais esclarecimentos clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.