Pesquisas e comportamento de Bolsonaro ditarão rumo do mercado

Receita abre consulta a 4º lote de restituição do Imposto de Renda 2018
10 de setembro de 2018
Bolsa fecha em queda com cautela antes de pesquisas eleitorais
10 de setembro de 2018
Exibir tudo

Pesquisas e comportamento de Bolsonaro ditarão rumo do mercado

Na sexta-feira, logo após o acidente contra o presidenciável, a bolsa subiu rapidamente até fechar com alta de 1,8%

Para onde vai a bolsa e o dólar nesta segunda-feira, nesta semana, e até o dia 7, quando os eleitores vão às urnas? O ataque a Jair Bolsonaro (PSL), líder na corrida eleitoral, trouxe uma dose extra de incerteza para o mercado financeiro. Na sexta-feira, logo após a facada desferida em Juiz de Fora, a bolsa subiu rapidamente até fechar com alta de 1,8%.

Nos minutos seguintes, as notícias de que o quadro de saúde do deputado era mais grave que o esperado fizeram os contratos futuros despencar no after market. A previsão de analistas é que o sobe e desce deve dar uma trégua nesta segunda-feira. O feriado prolongado deu tempo para os investidores digerirem o atentado. E há uma série de pesquisas eleitorais para sair ao longo da semana, a começar com três previstas para esta segunda-feira: Datafolha, FSB/BTG e Real Time Big Data. “Essas pesquisas vão dar o tom da semana para os investidores”, diz Sergio Vale, economista-chefe da consultoria MB Associados.

Prevalece entre os gestores a leitura de que Bolsonaro deve ganhar competitividade, o que reduz a chance de vitória de um candidato de esquerda, o grande temor a esta altura do campeonato. Nos últimos 30 dias, a bolsa acumula queda de 6% com o bom desempenho de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a anemia eleitoral de Geraldo Alckmin (PSDB). Em seis meses a queda é de 12%.

A boa vontade dos investidores com Bolsonaro deve ser manter caso sua campanha aproveite o atentado para jogar água na fervura eleitoral. Alguns episódios pós-ataque apontaram para a direção contrária. Bolsonaro voltou a posar para fotos com a pose de quem aponta um fuzil. O general Hamilton Mourão, vice em sua chapa, afirmou à GloboNews que, em uma situação de “anarquia”, pode haver um “autogolpe” do presidente com apoio das Forças Armadas. Neste domingo, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, afirmou ao Estadão que a legitimidade de um novo governo “pode até ser questionada”.

Caso o acirramento nos discursos se mantiver, o humor de investidores em relação a Bolsonaro pode vir a mudar. “A facada humanizou Bolsonaro. Se ele dobrar a aposta nas atrocidades, volta-se à estaca zero”, diz Celso Toledo, economista da consultoria LCA.

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.