Goldman criará mesa de trading de criptomoedas, diz Bloomberg

Índices em Wall St fecham em queda antes de feriado
22 de dezembro de 2017
Interesse de bolsas de valores em bitcoin pode atrair fundos
25 de dezembro de 2017
Exibir tudo

Goldman criará mesa de trading de criptomoedas, diz Bloomberg

Pelo menos uma das maiores instituições de Wall Street está cada vez mais à vontade com as criptomoedas

(Bloomberg) — Pelo menos uma das maiores instituições de Wall Street está cada vez mais à vontade com as criptomoedas.

O Goldman Sachs está formando uma mesa de trading para criar mercados para moedas digitais como o bitcoin, segundo pessoas informadas sobre a estratégia.

O banco pretende colocar o negócio em operação no fim de junho, no mais tardar, disseram duas das pessoas. Outra afirmou que o banco ainda tenta resolver problemas de segurança e definir como manteria ou guardaria os ativos.

A decisão coloca o Goldman Sachs em posição de se tornar a primeira grande instituição de Wall Street a criar mercados para criptomoedas, cujos valores crescentes e enormes oscilações de preço povoam a imaginação do público, mas são vistos com cautela pelas instituições consolidadas. O banco já está entre as poucas grandes instituições a compensarem uma nova safra de futuros de bitcoins oferecida pela Cboe Global Markets e pela CME Group. O Citigroup e o Bank of America, por exemplo, adotaram a postura de esperar para ver.

O Goldman Sachs atualmente está montando uma equipe em Nova York, disse uma das pessoas. O banco não decidiu onde ficará a mesa, mas uma possibilidade é que opere dentro da função de trading sistemático da unidade de renda fixa, câmbio e commodities, que faz transações eletrônicas, disseram duas pessoas. Darren Cohen, do principal grupo de investimentos estratégicos do banco, também busca oportunidades, disse outra pessoa.
, no principal grupo de investimentos estratégicos da empresa, também está buscando oportunidades, disse outra pessoa.

“Em resposta ao interesse dos clientes em moedas digitais, estamos estudando a melhor forma de atendê-los”, disse o porta-voz Michael DuVally, em comunicado.

Publicamente, o CEO Lloyd Blankfein tem sido circunspecto. Ele tuitou em outubro que sua empresa estudava como lidar com o bitcoin. Em entrevista à Bloomberg Television, no mês passado, disse que o banco ainda não precisava de nenhuma estratégia para o bitcoin porque a moeda digital ainda está se desenvolvendo e é volátil.

E quando começou a compensar futuros, no início do mês, o banco exigiu que alguns clientes reservassem recursos equivalentes ao valor total das transações, disseram pessoas familiarizadas com a política na ocasião. O conservadorismo dissuadiu alguns clientes e os fez levar seus negócios para outras partes.

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.