EUA proíbem negociações de americanos com “bitcoin” da Venezuela

Ibovespa fecha em queda e recua abaixo de 84 mil pontos
19 de março de 2018
Nunca declarei um bem. Como regularizo minha situação?
20 de março de 2018
Exibir tudo

EUA proíbem negociações de americanos com “bitcoin” da Venezuela

Trump vetou negociações da Petro, por considerar que a criptomoeda foi criada para driblar as sanções impostas por Washington

Os Estados Unidos reforçaram nesta segunda-feira a pressão contra a Venezuela, com a adoção de sanções sobre quatro venezuelanos ligados ao governo do presidente Nicolás Maduro e a proibição de se negociar a ‘criptomoeda’ lançada por Caracas.

Trump comunicou formalmente ao Congresso sobre a assinatura do decreto que veta aos cidadãos americanos a negociação da ‘criptodivisa’ petro, por considerar que foi criada para driblar as sanções impostas por Washington.

A petro é uma ‘criptomoeda’ lastrada em recursos naturais da Venezuela, como petróleo, ouro e gás. A oferta inicial situava seu valor em cerca de 60 dólares, valor de um barril de petróleo no início do ano.

O Tesouro americano cita no decreto que a Assembleia Nacional venezuelana, controlada pela oposição, considerou “ilegal” o lançamento da petro.

O decreto autoriza o departamento de Estado a “promulgar regras e regulamentos” para tornar efetiva a proibição de se negociar com o petro.

A Venezuela, submersa em uma imensa crise econômica, lançou a petro como parte de seus esforços para reestruturar sua enorme dívida externa, avaliada em 150 bilhões de dólares

O departamento do Tesouro também impôs sanções a quatro funcionários do governo Maduro: Américo Mata, da direção do Banco Nacional da Habitação; Antonio Contreras, da Superintendência para a Defesa dos Direitos Socioeconômicos; Nelson Lepaje, do Tesouro venezuelano, e Carlos Rotondaro, ex-dirigente doInstituto Venezuelano de Seguros Sociais.

No caso de Mata, o Tesouro cita que “supostamente solicitou e recebeu” dinheiro da construtora Odebretch para a campanha eleitoral do presidente Nicolás Maduro em 2013.

Maduro qualificou a decisão de Washington de proibir os negócios com a criptomoeda venezuelana de “crime contra a humanidade, que pode ser denunciado à Corte Penal Internacional”.

“Estas sanções unilaterais, violatórias da Carta das Nações Unidas (…) constituem uma nova agressão imperial (…) pretendendo, pelo caminho do bloqueio comercial, a perseguição financeira e o boicote econômico para provocar o caos na nossa economia” e derrubar o governo.

O poderoso dirigente chavista Diosdado Cabello rejeitou “a decisão do imperialismo americano de adotar mais sanções”, denunciando que “hoje o imperador Trump (…) anunciou medidas contra o povo, medidas que não serão de fácil execução”.

Cabello destacou que é “incomum que um país tão poderoso como os Estados Unidos” dedique tanto tempo à Venezuela.

“Contra mais sanções, mais revolução (…). Não vamos nos ajoelhar diante do imperialismo”.

O líder chavista afirmou que as ofertas de compra da petros já superaram os 5 bilhões de dólares. “Vamos ver se o senhor Trump e o imperialismo são capazes de deter isto”, desafiou.

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.