Comprei um carro em 2017, mas ele ainda não está no meu nome. Declaro?

Dólar cai abaixo de R$3,40 acompanhando exterior
18 de abril de 2018
Fui demitido e saquei o plano de previdência. Como declaro no IR?
18 de abril de 2018
Exibir tudo

Comprei um carro em 2017, mas ele ainda não está no meu nome. Declaro?

Especialista responde dúvida de leitor sobre a Declaração do Imposto de Renda 2018. Envie você também suas perguntas

Pergunta do leitor: Comprei um carro da minha mãe em 2017, mas ainda não o passei para o meu nome. Quem deve declará-lo no Imposto de Renda 2018, eu ou ela? Como faço isso?

Resposta de Samir Choaib* e equipe do escritório Choaib, Paiva e Justo Advogados Associados:

Embora não tenha havido a transferência formal da propriedade, o automóvel deverá ser reportado na ficha de Bens e Direitos da Declaração de Ajuste Anual do adquirente.

Isso porque, ainda que não tenham sido cumpridas as exigências formais para a transferência da propriedade – previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) – o negócio em si, isto é, a entrega do veículo em troca do pagamento de seu preço, concretizou-se em 2017, e, portanto, as informações referentes a esta operação devem ser reportadas na Declaração referente àquele ano.

Para a melhor compreensão deste princípio, é necessário entender, também, a razão pela qual a Receita Federal do Brasil exige que sejam prestadas informações sobre o patrimônio dos contribuintes, que ocorre para que seja possível a análise dos valores dos bens dos contribuintes em comparação à renda recebida anualmente.

Com relação à forma de declaração do automóvel, na declaração do adquirente o campo “Situação em 31/12/2016” deverá ser deixado em branco, já que a aquisição foi feita apenas em 2017, e o campo “Situação em 2017” preenchido com o valor pago pelo veículo até 31/12/2017.

Assim, se o veículo tiver sido adquirido à vista, deve ser declarado o valor total pago pelo bem; caso a aquisição tenha sido feita em parcelas, o procedimento adequado é somar o valor total das parcelas pagas ao longo do ano de 2017 e informar este valor. Além disso, no campo “Discriminação” deverão ser incluídas as informações da compra (nome e CPF do alienante, data, valor e condições da compra) e, como sugestão (embora não obrigatória), poder-se-ia informar que a transferência da propriedade do automóvel ainda não foi efetivada.

Na Declaração de sua mãe, alienante do automóvel, deverá ser reportado no campo “Discriminação” da ficha de Bens e Direitos o fato de o veículo ter sido vendido em 2017, além de informados os dados do adquirente (nome e CPF), a data, o preço e as condições da venda.

O campo “Situação em 31/12/2017” deverá ser deixado em branco, pois nesta data o automóvel não mais fazia parte de seu patrimônio; vale, aqui, a mesma sugestão (embora não obrigatória): poder-se-ia informar que a transferência da propriedade do automóvel ainda não foi efetivada.

*Samir Choaib é advogado e economista formado pela Universidade Mackenzie, pós-graduado em direito tributário pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). É sócio do escritório Choaib, Paiva e Justo, Advogados Associados, especialista em imposto de renda de pessoas físicas e responsável pela área de planejamento sucessório do escritório. É o atual chairman da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos da Flórida (BACCF), em São Paulo.


O site EXAME vai responder diariamente, entre 1º de março e 30 de abril, as dúvidas de leitores sobre a Declaração do Imposto de Renda 2018. Envie suas perguntas para seudinheiro_exame@abril.com.br.

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.